Arquivo da tag: mac demarco

Lista: As 50 Melhores Músicas de 2014 [40-31]

40. Merchandise – Green Lady

Apesar dos grandes avanços tecnológicos, o toque humano continua a ser imprescindível. A sensibilidade ainda é necessária. Em “Green Lady”, a banda Merchandise mostra que, mesmo brincando com os anos oitenta (em uma estrutura sonora que pode até lembrar alguns trabalhos do Talk Talk), entende os dias atuais como poucas. Tudo na canção é cuidadosamente alocado, criando um conjunto adorável que só existe porque todos os seus elementos estão lá em perfeita harmonia: retire a guitarra ou o vocal da canção, por exemplo, e verá que o que era completo desmoronou. “Green Lady” é o que pode se chamar de música perfeitamente bela.

39. Röyksopp & Robyn – Do It Again

A força do dance-pop europeu – mais precisamente, o nórdico – está longe de desaparecer. E quem está aqui para provar isso é a dupla de produtores Röyksopp e a veterana Robyn, com “Do It Again”, a grande música eletrônica de 2014. Uma canção energética ao extremo, hipnotizadamente dançante, que inspira. Uma pedida perfeita para ouvir logo depois de acordar, começando o dia com tudo.

38. Drake – How Bout Now

Drake é um daqueles caras que nunca vão ser unanimidade… Após um 2013 glorioso, em que lançou o seu o melhor trabalho (e um dos melhores discos do ano), lá vem 2014 e a infeliz parceria com Nick Minaj na tenebrosa “Anaconda”. Seria o fim de Drake? Minaj teria arquitetado a lápide do famoso rapper canadense? Felizmente, o cara mostra que há vida após “Anaconda”: “How Bout Now” mostra uma faceta que muitos ouvintes de Drake ainda não conheciam; uma concepção, digamos, mais “experimental”. “How Bout Now” é um número fluido, até certo ponto disforme, alocando o rapper em um cenário bem mais minimalista que o habitual. Experimental e surpreendente, esse é o Drake que queremos.

37. Azealia Banks – Chasing Time

Toda a genialidade de Azealia Banks como rapper e toda a qualidade da produção que há por trás dela mostram-se em primor em “Chasing Time”, um dos fortes números de “Broke With Expensive Taste” – o disco eternamente adiado que viu finalmente a luz do dia no segundo semestre desse ano. Sempre provocante e irônica, Banks mergulha em uma base sonora riquíssima, sendo impossível sequer apontar todos os gêneros que a canção possui. Além de tudo, temos a oportunidade de descobrir as qualidades de Azealia Banks como… cantora! Sensacional.

36. Hundred Waters – Murmurs

O trabalho da banda Hundred Waters pode ser comparado ao de um artista plástico: bordar cenários (abstratos ou não) para escancarar sentimentos. Daria para dizer, além disso, que o grupo seria um daqueles pintores sensíveis, que empunham o pincel com a maior sutileza do mundo. Afinal, a música da banda é muitas vezes quieta, quase invisível… Portanto, seu trunfo acaba ficando nos detalhes. Com ouvidos atentos, o público pode saborear toda a profunda beleza de “Murmurs”, uma canção que parece resumir toda a dimensão sonora do Hundred Waters em poucos minutos. Uma canção sublime.

35. The War on Drugs – Red Eyes

O teor sentimental de “Lost in Dream”, até agora o grande trunfo da carreira da Adam Granofsky, pegou muita gente de surpresa. Distante do teor psicodélico da música do ex-colega Kurt Vile, o músico acabou criando, mesmo enraizando-se na música folk, um grande disco pop, repleto de verdadeiros hinos emotivos. E o mais brilhante deles certamente é “Red Eyes”, uma canção que sai do sofrimento, do choro, para também mostrar a vitória… Afinal, a vida de ninguém é feita somente de derrotas, certo? Para acompanhar, um instrumental memorável, que nos fará recordar de sua melodia por muito tempo.

34. FKA twigs – Two Weeks

As velhas heranças do R&B são tratadas por FKA twigs com um olhar constantemente voltado para o futuro. Em sua nova faixa, “Two Weeks”, a música negra encontra o future garage, e os vocais cheios de personalidade se derramam em arranjos etéreos… Tudo, no fim, construindo um teor atmosférico: uma impressionante produção. O remodelamento do passado para construir a música dos dias que ainda estão por vir: esse é, no fundo, o ciclo natural da passagem do tempo na arte.

33. Mac DeMarco – Brother

Mac DeMarco é insano, doidão mesmo. Por isso, é impressionante o controle de seus instintos no calmo “Salad Days”, seu último disco – e especialmente em “Brother”, a melhor das faixas. Melancólica, mesmo sem ser triste, a canção se comporta como o magnum opus de DeMarco como compositor, mostrando que há, no fundo, grande sensibilidade por trás de sua loucura.

32. Ariana Grande feat. Iggy Azalea – Problem

Ariana Grande é um daqueles produtos óbvios da música pop dos Estados Unidos: depois de estrelar um seriado teen, parte para um trabalho fonográfico pop e altamente radiofônico, contando com o apoio de uma grande gravadora, com produtores renomados e muito dinheiro a ser investido. Surpreende, porém, que mesmo em meio a tantas obviedades, a jovem consegue ser um ponto fora dessa curva em que estão estacionadas cantoras como Selena Gomez e Miley Cyrus. Ariana faz diferente; sua música é grudenta, tocará muito nas rádios ao redor do mundo, mas não deixa de flertar com elementos ricos… Em “Problem”, canção que conta com a participação da rapper Iggy Azalea, o apelo pop se encontra com um fantástico loop de saxofone, dando um brilho a mais aos vocais plásticos e às excitantes batidas sintéticas. Enfim, um primor em produção.

31. Jack White – Lazaretto

Uma música pode resumir toda a carreira de um músico consagrado? Segundo “Lazaretto”, a canção, sim: afinal, nenhuma canção de Jack White é tão completa quanto esta em questão: há country, blues, rock e indie, além de uma explosão energética, e tudo em número curto e grosso, com menos de quatro minutos de duração. Se “Lazaretto”, o disco, não foi tão bom quanto esperávamos, sua faixa-título não deixa de ser excepcional: uma das melhores músicas de 2014.

Clipes & Singles: Semana 21/2014

Clipes & Singles

O Terno – Tic Tac

A banda O Terno, uma das revelações do rock nacional, faz um som que passa longe do convencional… E se o assunto é clipe, as imagens devem acompanhar os conceitos musicais, não é verdade? Pois é bem isso que o grupo faz em seu novo registro audiovisual, referente à “Tic Tac”, canção que faz parte de um compacto recentemente lançado. Contando com a participação do músico (e ator) Paulo Miklos, o clipe mostra os integrantes da banda disputando uma corrida que de normal não tem nada – é claro.

Sam Smith – Leave Your Lover

Se tratando de voz, Sam Smith é uma das maiores revelações do pop atual. O britânico, revelado mundialmente no ano passado pelos compatriotas do Disclosure, está prestes a lançar o seu primeiro disco de estúdio, e para não perder o ritmo, lança mais uma de suas belas (e melancólicas) canções. Acompanhada por vídeo, “Leave Your Lover” é um número naturalmente melódico e triste, com uma estrutura simples, de piano e voz, e por isso vem rendendo comparações (bem preguiçosas) a Adele. No clipe, Smith é parte de um alegre triângulo amoroso, cujo desfecho mostra-se totalmente inesperado.

Céu – Baile de Ilusão

A cantora Céu andou dizendo que seu novo clipe segue “à risca (literalmente) o que canto em ‘Baile de Ilusão'”. Precisa dizer mais alguma coisa? É só clicar no play abaixo e curtir mais um ótimo registro audiovisual de uma canção do último clipe da musicista, “Caravana Sereia Bloom”.

Mac DeMarco – Passing Out Pieces

Que Mac DeMarco é um sujeito insano, todos que acompanham a carreira do cantor já sabem… Talvez até para amplificar esse conceito, o músico faz de seu novo clipe, referente à “Passing Out Pieces”, faixa do disco “Salad Days”, uma grande ode ao nonsense. Com muito sangue falso, um baixíssimo orçamento e uma aura totalmente trash, DeMarco assassina várias pessoas no clipe mais bizarro (até agora) de 2014.

Bianca – Speak Not

Bianca é um daqueles casos meteóricos do mundo da música: bastou iniciar sua carreira para se tornar um sucesso. Detentora da baladona “Chained”, que já vem inclusive embalando as imagens da Rede Globo na novelinha “Malhação”, a jovem já é uma “velha” conhecida deste blog, visto que ainda em fevereiro, antes de explodir nacionalmente, a musicista participou da nossa tradicional entrevista mensal. Agora liberando mais uma canção da série “Live Sessions”, Bianca apresenta ao público mais uma faceta sensível de sua musicalidade através de “Speak Not”.

Séculos Apaixonados – Um Totem do Amor Impossível

Após de surpreendentemente dar por encerradas as atividades do ótimo projeto musical Dorgas, Gabriel Guerra surge em uma nova empreitada: tendo como companhia Lucas Paiva, Felipe Vellozo, João Pessanha e Arthur Braganti, é fundado o (quase super) grupo Séculos Apaixonados. Agrupando alguns dos melhores nomes do novo cenário musical alternativo (e efervescente) do Rio de Janeiro, a banda já escancara sua proposta através de duas canções: “Um Totem do Amor  Impossível” e “Só no Masoquismo”.

Robyn & Röyksopp – Sayit

A ótima parceria entre Robyn e o duo Röyksopp não é somente responsável por resgatar a veterana estrela do pop escandinavo para as atualidades da música, como mostra ser um dos projetos mais assertivos da música eletrônica nesse ano de 2014. Mais um capítulo desse ótimo encontro pode ser conferido no clipe produzido para a canção “Sayit”, em que as imagens acompanham todas os elementos da sonoridade futurística dos produtores.

André Prando – Alto Lá

Agora saímos do tecnológico para aterrissar em um conceito pueril, orgânico… Se trata do clipe de “Alto Lá”, de André Prando, uma das grandes apostas musicais do RPblogging para esse ano de 2014. O músico, que já passou por aqui na seção Experimente, abandona um pouco seu lado “roqueiro” para se embebedar na música folk em sua nova canção, cujo vídeo traz o músico, de pés descalços e ostentando sua longa barba, a interpretando somente com voz e violão.

Ludov – Cidade Natal

Abandonando o clima de tensão que havia construído o clipe de “Copo de Mar”, os paulistanos da Ludov fazem do vídeo de “Cidade Natal” um encontro com a simplicidade. Adornada por arranjos semi-acústicos, a canção deixa a vocalista Vanessa Krongol brilhar e se destacar de forma absolutamente natural… Acompanhando o conceito orgânico da faixa, o clipe mostra imagens da banda em uma bela paisagem da cidade de Atibaia.

Tatá Aeroplano – Par de Tapas que Doeu em Mim

Uma das mentes menos óbvias do cenário alternativo tupiniquim, Tatá Aeroplano apresenta mais um registro audiovisual de sua rica carreira através do clipe referente à música “Par de Tapas que Doeu em Mim”. Contanto com a participação da requisitada Tulipa Ruiz, o vídeo, que traz mais de dez minutos de duração, transfere um violento fim de relação para o universo particular do músico – incluindo um desfecho (obviamente) inesperado.

Live Sessions: Edição 04

Mac DeMarco em Santa Efigênia, São Paulo

Em passagem pela capital paulista, o canadense Mac DeMarco resolveu passear pela cidade na companhia do pessoal da Noisey. O resultado? Uma curiosa performance ao-vivo de “Still Together” filmada no viaduto Santa Efigênia, um dos cartões-postais da cidade.

Real Estate no David Latterman

Uma das bandas mais queridinhas do público indie nos dias de hoje, o Real Estate fez a sua primeira performance ao-vivo na TV americana no desejado palco do programa de David Latterman. A apresentação contou com a canção “Talking Backwards”, que está presente no último álbum do grupo, “Atlas”.

The Kooks na TV britânica

Como promover o seu futuro disco de forma magistral? O The Kooks te ensina. Além de estar abandonando o indie rock insosso que permeava seus últimos discos, a banda inglesa está disposta a nos surpreender: no programa de Alan Carr, os caras acabaram fazendo uma apresentação espetacular ao som de “Around Town”, contando com a participação de um primoroso coral gospel. De tão bem produzido, o vídeo poderia muito bem se tornar um clipe oficial.

Chlöe Howl na Noisey Acoustics

Uma das inglesinhas mais promissoras da música pop, Chlöe Howl, se apresentou em um terraço de um prédio, no Brooklyn, em Nova York, para a série de sessões acústicas da Noisey. Sem o turbilhão sonoro sintetizado que geralmente a acompanha, Howl entrega seu lado mais orgânico através de uma performance deliciosamente singela.

John Butler no Triple J

Em sua passagem pelo programa Triple J, John Butler, com o auxílio de sua banda, tocou uma surpreendente versão cover da estourada “Happy”, de Pharrell Williams. Vale a pena também conferir os outros vídeos da apresentação da banda, bem como dar uma vasculhada pelo canal da rádio australiana.

Nirvana no Rn’R Hall of Fame

Após ser introduzida ao Rn’R Hall of Fame, a banda Nirvana fez o seu primeiro show desde a morte de Kurt Cobain. Ele ocorreu em Nova York, e contou apenas com vocalistas femininas: Joan Jett, Kim Gordon, Annie Clark (St. Vincent) e Lorde cantaram ao lado de Krist Novoselic, Dave Grohl e Pat Smear alguns dos maiores clássicos da icônica banda de rock alternativo.

Baleia no estúdio Maravilha8

Em uma apresentação ao-vivo no estúdio Maravilha8, os cariocas da banda Baleia mostraram porque formam um dos melhores grupos da atualidade no Brasil. “Temporal” foi executada magistralmente, e às vezes você até chega a duvidar se o que você está ouvindo é na realidade uma performance ao-vivo. Essa é pra dar o play umas três ou quatro vezes.

Arcade Fire no Lollapalooza Brasil

No mês de abril tivemos aqui no Brasil, mais precisamente na cidade de São Paulo, mais uma edição do festival Lollapalooza. Ocorrido no Autódromo de Interlagos, o evento teve como grande destaque a apresentação dos canadenses do Arcade Fire, que atualmente vivem o auge de sua carreira. O show completo não está disponível no YouTube, mas no vídeo abaixo você pode conferir (ou recordar) um pouco do que Win Butler e seus pupilos aprontaram em território tupiniquim.

Ella Eyre em La Blogothèque

O pessoal lá da França sabe como produzir apresentações ao-vivo interessantíssimas… Veja a apresentação de Ella Eyre produzida pelo canal La Blogothèque e faça sua boca cair até o chão.

Clipes & Singles: Semana 04/2014

Clipes & Singles

Cérebro Eletrônico – Egyptian Birinights

Reza a lenda que, para a construção das pirâmides, os egípcios tiveram o auxílio de alienígenas. Utilizando sua coleção de brinquedos Playmobil, Tatá Aeroplano revive a mitologia em um clipe pra lá de psicodélico, que se encontra com louvor com a sonoridade da banda Cérebro Eletrônico e seu último disco, o chapado “Vamos Pro Quarto”. Em um trabalho criativo, “Egyptian Birinights” ganha imagens em uma brincadeira minuciosa, mas especialmente maluca… Animais dentro de uma geladeira, piratas navegando sobre discos, um conquistador medieval homossexual refletem muitas substâncias a serviço de uma dimensão muito além do nosso cotidiano normal.

Poliça – I Need $

Dinheiro é algo que eu preciso, você precisa e Channy Leaneagh também. Para demonstrar a busca pelo cascalho sagrado, a vocalista do coletivo Poliça interpreta uma camareira no clipe da faixa “I Need $”, que faz parte do último registro do projeto, o bom “Shulamith”, lançado em novembro do ano passado. Muito trabalho e o cotidiano normal, porém, dão espaço para os sonhos no final do vídeo, na medida em que “I Need $” vai se encerrando e um pequeno interlúdio com “So Leave” se inicia: uma representação de liberdade, ainda que soturna.

Marcelo Perdido – Aritmética

Uma base empoeirada vem construindo, pelo menos até agora, a carreira solo de Marcelo Perdido. Seguindo o conceito que se iniciou com o clipe de “Lenhador”, música que dá título ao primeiro disco do compositor, imagens de tratamento Lo-Fi, como se tivessem sido retiradas de um velho VHS, preenchem os projetos audiovisuais do músico. Em “Aritmética”, um trabalhador engravatado vira índio enquanto Perdido canta uma faixa atraente, em que os tímidos arranjos instrumentais constroem, no fim das contas, um resultado grandioso.

Damon Albarn – Everyday Robots

Damon Albarn é um dos pilares da música alternativa mundial. Depois de fazer história junto ao Blur nos anos noventa e reinventar o conceito de banda com o Gorilazz, o músico prepara, para este ano, o seu primeiro disco oficial em carreira solo. Intitulado “Everyday Brothers”, o registro encontra na faixa-título o seu primeiro single, que dissemina um estilo pouco usual de R&B entre batidas envolventes e inventivos arranjos de cordas. No clipe, a face de Albarn é desenhada através de um software, acompanhando, de certa forma, os rumos melódicos da bela canção.

Marissa Nadler – Dead City Emily

O dream pop mesclado com o folk sempre foi uma das marcas do som de Marissa Nadler, mas tal interação nunca se mostrou tão clara quanto em “Dead City Emily”, mais uma faixa de “July”, disco a ser lançado nos próximos dias. Entre acordes acústicos e sintetizadores brandos, um cenário etéreo cresce naturalmente enquanto a artista é envolvida por uma atmosfera introspectiva no clipe da canção. Seja dançando livremente, ou caindo no amasso com um rapaz, Nadler tece imagens místicas em frente ao espelho… Um ótimo aperitivo para o trabalho que está por vir.

Bruce Springsteen – Just Like Fire Would

Entre os covers de “High Hopes”, a radiofônica “Just Like Fire Would”, que carrega todo aquele rock encorpado apresentado por Bruce Springsteen nos anos oitenta, é sem dúvida o mais acessível. Escolha óbvia para single, a canção ganha imagens através de uma produção simples, mas que mostra o ponto de maior destaque da presente fase do compositor: as performances no palco. Um ótimo sinal de que mais uma turnê vem por aí.

Maximo Park – Lydia, The Ink Will Never Dry

Prestes a lançar “Too Much Information”, um dos discos mais aguardados nesse início de 2014, o coletivo Maximo Park acaba de revelar mais uma canção que fará parte do registro. Em um vídeo no estilo “lyric” bem criativo, a letra de “Lydia, The Ink Will Never Dry” é tatuada nas costas de um rapaz, e mostra, claramente, uma sonoridade que a banda nunca havia feito. Portanto, novidade é o que não deve faltar no disco que está a caminho.

Disclosure feat. Mary J. Blige – F For You

Ainda colhendo os frutos do sucesso de “Settle”, um dos melhores álbuns do ano segundo este blog, o duo inglês Disclosure não se cansa de dar imagens às canções que preenchem o disco. Ganhando uma nova versão, desta vez com a voz da veterana Mary J. Blige, “F For You” cresce em força através do acrescentamento de cores, através do novo clipe e do ótimo vocal da norte-americana.

Temples – Mesmerize

Não é a toa que a banda Temples é considerada uma “resposta britânica” aos inventos realizados pelo Tame Impala em 2011. Brincando com velhas ideias do psicodelismo, mas em um sentido amplo de novidade, o coletivo inglês alcança um resultado grandioso ao levar em consideração as “novas leis” do rock psicodélico. Com um vídeo que dá ainda mais destaque às bases lisérgicas da música, o Tamples constrói um bom aperitivo para o seu primeiro álbum, “Sun Structures”.

Mac Demarco – Passing Out Pieces

Com “Salad Days”, Mac Demarco provavelmente se agarrará às mesmas estruturas que construíram “2”, seu último álbum em estúdio. Bem-humorado, o músico surge com seu mais novo single, “Passing Out Pieces”, que parece dar um destaque ainda maior ao seu universo particular. Para somar, um vídeo Lo-Fi aumenta o teor “alternativo” do trabalho do músico, que passará em turnê por São Paulo e Porto Alegre no mês de março.