Arquivo da tag: hundred waters

Lista: As 50 Melhores Músicas de 2014 [40-31]

40. Merchandise – Green Lady

Apesar dos grandes avanços tecnológicos, o toque humano continua a ser imprescindível. A sensibilidade ainda é necessária. Em “Green Lady”, a banda Merchandise mostra que, mesmo brincando com os anos oitenta (em uma estrutura sonora que pode até lembrar alguns trabalhos do Talk Talk), entende os dias atuais como poucas. Tudo na canção é cuidadosamente alocado, criando um conjunto adorável que só existe porque todos os seus elementos estão lá em perfeita harmonia: retire a guitarra ou o vocal da canção, por exemplo, e verá que o que era completo desmoronou. “Green Lady” é o que pode se chamar de música perfeitamente bela.

39. Röyksopp & Robyn – Do It Again

A força do dance-pop europeu – mais precisamente, o nórdico – está longe de desaparecer. E quem está aqui para provar isso é a dupla de produtores Röyksopp e a veterana Robyn, com “Do It Again”, a grande música eletrônica de 2014. Uma canção energética ao extremo, hipnotizadamente dançante, que inspira. Uma pedida perfeita para ouvir logo depois de acordar, começando o dia com tudo.

38. Drake – How Bout Now

Drake é um daqueles caras que nunca vão ser unanimidade… Após um 2013 glorioso, em que lançou o seu o melhor trabalho (e um dos melhores discos do ano), lá vem 2014 e a infeliz parceria com Nick Minaj na tenebrosa “Anaconda”. Seria o fim de Drake? Minaj teria arquitetado a lápide do famoso rapper canadense? Felizmente, o cara mostra que há vida após “Anaconda”: “How Bout Now” mostra uma faceta que muitos ouvintes de Drake ainda não conheciam; uma concepção, digamos, mais “experimental”. “How Bout Now” é um número fluido, até certo ponto disforme, alocando o rapper em um cenário bem mais minimalista que o habitual. Experimental e surpreendente, esse é o Drake que queremos.

37. Azealia Banks – Chasing Time

Toda a genialidade de Azealia Banks como rapper e toda a qualidade da produção que há por trás dela mostram-se em primor em “Chasing Time”, um dos fortes números de “Broke With Expensive Taste” – o disco eternamente adiado que viu finalmente a luz do dia no segundo semestre desse ano. Sempre provocante e irônica, Banks mergulha em uma base sonora riquíssima, sendo impossível sequer apontar todos os gêneros que a canção possui. Além de tudo, temos a oportunidade de descobrir as qualidades de Azealia Banks como… cantora! Sensacional.

36. Hundred Waters – Murmurs

O trabalho da banda Hundred Waters pode ser comparado ao de um artista plástico: bordar cenários (abstratos ou não) para escancarar sentimentos. Daria para dizer, além disso, que o grupo seria um daqueles pintores sensíveis, que empunham o pincel com a maior sutileza do mundo. Afinal, a música da banda é muitas vezes quieta, quase invisível… Portanto, seu trunfo acaba ficando nos detalhes. Com ouvidos atentos, o público pode saborear toda a profunda beleza de “Murmurs”, uma canção que parece resumir toda a dimensão sonora do Hundred Waters em poucos minutos. Uma canção sublime.

35. The War on Drugs – Red Eyes

O teor sentimental de “Lost in Dream”, até agora o grande trunfo da carreira da Adam Granofsky, pegou muita gente de surpresa. Distante do teor psicodélico da música do ex-colega Kurt Vile, o músico acabou criando, mesmo enraizando-se na música folk, um grande disco pop, repleto de verdadeiros hinos emotivos. E o mais brilhante deles certamente é “Red Eyes”, uma canção que sai do sofrimento, do choro, para também mostrar a vitória… Afinal, a vida de ninguém é feita somente de derrotas, certo? Para acompanhar, um instrumental memorável, que nos fará recordar de sua melodia por muito tempo.

34. FKA twigs – Two Weeks

As velhas heranças do R&B são tratadas por FKA twigs com um olhar constantemente voltado para o futuro. Em sua nova faixa, “Two Weeks”, a música negra encontra o future garage, e os vocais cheios de personalidade se derramam em arranjos etéreos… Tudo, no fim, construindo um teor atmosférico: uma impressionante produção. O remodelamento do passado para construir a música dos dias que ainda estão por vir: esse é, no fundo, o ciclo natural da passagem do tempo na arte.

33. Mac DeMarco – Brother

Mac DeMarco é insano, doidão mesmo. Por isso, é impressionante o controle de seus instintos no calmo “Salad Days”, seu último disco – e especialmente em “Brother”, a melhor das faixas. Melancólica, mesmo sem ser triste, a canção se comporta como o magnum opus de DeMarco como compositor, mostrando que há, no fundo, grande sensibilidade por trás de sua loucura.

32. Ariana Grande feat. Iggy Azalea – Problem

Ariana Grande é um daqueles produtos óbvios da música pop dos Estados Unidos: depois de estrelar um seriado teen, parte para um trabalho fonográfico pop e altamente radiofônico, contando com o apoio de uma grande gravadora, com produtores renomados e muito dinheiro a ser investido. Surpreende, porém, que mesmo em meio a tantas obviedades, a jovem consegue ser um ponto fora dessa curva em que estão estacionadas cantoras como Selena Gomez e Miley Cyrus. Ariana faz diferente; sua música é grudenta, tocará muito nas rádios ao redor do mundo, mas não deixa de flertar com elementos ricos… Em “Problem”, canção que conta com a participação da rapper Iggy Azalea, o apelo pop se encontra com um fantástico loop de saxofone, dando um brilho a mais aos vocais plásticos e às excitantes batidas sintéticas. Enfim, um primor em produção.

31. Jack White – Lazaretto

Uma música pode resumir toda a carreira de um músico consagrado? Segundo “Lazaretto”, a canção, sim: afinal, nenhuma canção de Jack White é tão completa quanto esta em questão: há country, blues, rock e indie, além de uma explosão energética, e tudo em número curto e grosso, com menos de quatro minutos de duração. Se “Lazaretto”, o disco, não foi tão bom quanto esperávamos, sua faixa-título não deixa de ser excepcional: uma das melhores músicas de 2014.

Anúncios

Clipes & Singles: Semana 45/2014

Clipes & Singles

Ariel Pink – Picture Me Gone

Ariel Pink pode até ser uma daquelas mentes insanas da música, mas negar que o cara sabe criar melodias como poucos seria totalmente insensível. Pois “Picture Me Gone” é a prova do poder de compositor de Ariel, bem como seu vídeo é mais uma constatação de toda a “estranheza” que ronda o artista.

Hundred Waters – Out Alee

A banda Hundred Waters costuma caprichar em tudo o que faz, logo, com o clipe oficial de “Out Alee”, não seria diferente. Tão hipnótico quanto a canção, o vídeo passa seus mais de quatro minutos e meio chamando brincando com a atenção do ouvinte, em um exercício ainda amplificado pelo poder encantador dos rumos sonoros. São imagens bucólicas, normais, mas que, muito bem trabalhadas, conseguem nos encantar.

Major Lazer – Vegan Vampire

Alcançando um hype até mesmo inesperado, o Major Lazer ganhará sua própria animação na TV. Um dos personagens do desenho, o vampiro vegetariano Rayland, recebe sua trilha-sonora através da participação vocal de Ezra Koenig, líder de outro grupo de vampiros – no caso, a banda Vampire Weekend.

Metronomy – Upsetter

Um vídeo estranho para uma canção estranha: assim é o clipe de “The Upsetter”, faixa integrante do mediano disco “Love Letters”, lançado nesse ano. No vídeo, um sujeito barbudo socializa com um ente formado de fungos e folhas secas, no meio de uma floresta. Alguém andou fumando gatinhos, não concorda?

Lorde – Yellow Flicker Beat

Lorde andou fazendo seus dezoito aninhos… O que ela fez? Foi correndo para a auto-escola a fim de tirar sua licença para dirigir? Que nada: ostentando seu poder, a jovem deu para si mesma de aniversário o registro audiovisual de “Yellow Flicker Beat”, canção que faz parte da nova película da franquia “Jogos Vorazes” – cuja trilha-sonora, aliás, teve a curadoria da própria neozelandesa.

Wild Beasts – Palace

A banda Wild Beasts, que teve o seu último disco, “Present Tense”, sendo bem recebido pela crítica, acaba de lançar um novo clipe: trata-se de “Palace”, no qual a banda, contanto com “participações” inusitadas, performa a canção em um fundo colorido que imita a arte de seu último disco.

The Smashing Pumpkins – One and All

Quem está produzindo o Smashing Pumpkins? Nem sei, mas gente competente não é. “One and All” nem é uma música tão ruim assim – algo raro para a banda nos últimos tempos – mas sua péssima produção trata de estragar tudo. Por isso, se você está precisando de um emprego, ligue para o Billy Corgan… Nem é necessário ter experiência para realizar um trabalho muito melhor do que ouvimos no player abaixo.

Cymbals Eat Guitars – Warning

Não, os adolescentes tocando no vídeo abaixo não são da banda Cymbals Eat Guitars; na verdade, são os integrantes da banda britânica Crosshair se passando pelo quarteto em questão, um conceito inusitado para o clipe da boa “Warning”.

Wu-Tang Clan – Ruckus in B Minor

“A Better Tomorrow”, o sexto disco do Wu-Tang Clan, mostra o renomado grupo de rap menos inspirado que outrora – porém, dizer que não há qualidade seria uma grande insanidade. Afinal, o que não é genial ainda pode ser bom, não é verdade? É isso que mostra “Ruckus in B Minor”, uma espécie de single do disco.

CHVRCHES – Dead Air

A franquia “Jogos Vorazes” sempre apresentou ótimas trilhas-sonoras, e não seria diferente no novo filme da série. Pois o hypado grupo CHVRCHES se uniu a Lorde e companhia para manter a boa qualidade que já havia apresentada nas películas anteriores: apesar de conter um clima mais obscuro, “Dead Air” contém todos os elementos que encantaram o público no disco “The Bones of What You Believe”, considerado um dos melhores do ano passado.

Clipes & Singles: Semana 25/2014

Clipes & Singles

OK Go – The Writing’s On the Wall

Apesar de conter uma base sonora corriqueira quando o assunto é indie rock, a banda OK Go se destaca pelos fantásticos vídeos que lança para suas canções. O último desses clipes dá imagens à “The Writings’s On the Wall”, faixa do próximo disco do conjunto, “Hungry Ghosts”, a ser lançado em outubro. No vídeo, uma sequência impressionante de ilusões de ótica irá certamente te deixar boquiaberto.

Interpol – Anywhere

Após revelar que irá lançar, ainda nesse ano, seu mais novo trabalho, o disco “El Pintor”, o Interpol vem revelando, em seus shows, algumas das faixas que estarão presentes no álbum. Agora, uma dessas canções inéditas foi transformada pela banda em single, com direito a um clipe ao-vivo: trata-se de “Anywhere”, que segue a estética característica do conjunto, e teve seu vídeo produzido através de uma apresentação do conjunto em Brixton.

Arctic Monkeys – Snap Out of It

Sim, é isso mesmo: o Arctic Monkeys lançou mais um clipe para uma faixa de seu último disco, o comercialmente bem-sucedido “AM”. Estrelado pela atriz mexicana Stephanie Sigman, o vídeo mostra a banda apelando mais uma vez para a sensualidade, fazendo a moça viver uma experiência sensorial ao assistir gravações caseiras do grupo.

Hundred Waters – Out Alee

Poucos trabalhos lançados em 2014 são tão encantadores quanto o disco “The Moon Rang Like a Bell”, da banda de indie pop floridense Hundred Waters. Parte desse conjunto etéreo de belas atmosferas sonoras, a canção “Out Alee” recebe um belíssimo vídeo, em que imagens do show de lançamento do disco são mescladas com bonitos cenários desérticos que parecem ter saído de um filme de ficção científica.

Lana Del Rey – Shades of Cool

Se você já viu algum vídeo de Lana Del Rey, saiba: o novo clipe da moça, relativo à canção “Shades of Cool”, faixa do recém-lançado “Ultraviolence”, explora os mesmos elementos que a moça tem explorado nos últimos tempos, seja com sua música ou com suas produções audiovisuais. Afinal, novidade, definitivamente, não é com ela.

Coldplay – A Sky Full of Stars

Concorrendo de forma firme ao prêmio de “fiasco do ano”, o Coldplay continua a promover o fraquíssimo disco “Ghost Stories”. Agora a canção a receber um tratamento em vídeo é a vergonhosa “A Sky Full of Stars”, parceria da banda com o produtor Avicii. Mas, ao contrário do que muitos pensavam, nada de superprodução: para produzir o clipe, a banda convocou os fãs pelo Twitter e percorreu no meio deles as ruas da cidade de Sydney.

Jessie Ware – Tough Love

Quem acompanhou a estreia oficial da carreira solo de Jessie Ware no disco “Devotion” já conhece a força emotiva presente no forte vocal da cantora, um dos nomes de maior destaque na nova cena do R&B britânico. Demonstrando crescimento, a cantora nos entrega mais uma grande performance em meio a uma fantástica produção assinada pelo duo BenZel na canção “Tough Love”, que parece anunciar seu novo álbum.

Wild Beasts – Mecca

O clima hipnótico de “Mecca” encontra acompanhamento perfeito com o teor psicodélico, extremamente colorido, com as imagens do novo clipe lançado pelos rapazes do Wild Beasts, que nesse ano lançaram o bom disco “Present Tense”, sucesso principalmente entre o público hipster.

Alt-J – Hunger of the Pine

Já achava o Alt-J estranho ou, pelo menos, diferente de tudo que há por aí? E se eu te dizer que a nova música do conjunto, a primeira a ser liberada do futuro álbum “This Is All Yours”, contém um sampler de Miley Cyrus? Pois é… Enquanto o álbum não chega, divirta-se com o seu primeiro (e incomum) single do novo projeto dos ingleses da cidade de Leeds.

Chlöe Howl – Disappointed

Chlöe Howl é uma cantora jovem, magrinha, de aparência frágil, mas a prova de que as aparências enganam é quando ela solta o vozeirão. Emplacando single após single antes de lançar um disco, a garota agora nos apresenta “Disappointed”, uma boa canção pop grudenta cujo clipe explora o triângulo amaroso entre duas atletas e um técnico de roller derby.

Clipes & Singles: Semana 24/2014

Clipes & Singles

La Roux – Tropical Chancer

Ver o nu-disco do Daft Punk inspirando um bocado de produtores de música eletrônica era só uma questão de tempo. Realmente, brincar com os rumos de “Random Access Memories” parece ser a regra da vez, e um dogma que o duo La Roux consegue seguir muito bem. A nova canção do projeto, denominada “Tropical Chancer”, aterrissa no calor de Miami para construir uma nova faceta do que será ouvido no disco “Trouble in Paradise”, a ser lançado em 8 de julho.

Spoon – Rent I Play

Existem bandas que não estão preocupadas em experimentar novos ambientes sonoros porque seus ouvintes querem que as coisas continuem simplesmente como estão. Assim acontece com o Spoon, um dos ícones do indie rock noventista, que, em sua nova canção, faz tudo o que já havia feito: não à toa, “Rent I Play” surge totalmente embebida naquele espírito alternativo que permeava aquela época. A canção deve fazer parte do próximo álbum do grupo, “They Want My Soul”, que deve sair em agosto.

Nana – As Nunvens

Dentro do chamado “fofopop”, poucos nomes se destacam tanto quanto a jovem Nana. Seguindo os rumos singelos de seu trabalho, o clipe lançado para “As Nuvens”, última faixa do bonito álbum “Pequenas Margaridas”, insere a cantora dentro de um cenário tranquilo, permeado por cores amenas e uma lenta e sensorial coreografia.

The New Pornographers – Brill Bruisers

É impossível não se sentir energizado ao ouvir a nova faixa do The New Pornographers. Catalizando toda aquela energia dos clássicos da banda, “Brill Bruisers” surge curta, mas incrível: tratando os rumos harmônicos e melódicos com aquele cuidado habitual, os canadenses continuam mostrando porque formam uma das melhores bandas da história do universo indie – que, pelo jeito, ainda tem muita lenha para queimar.

Blood Orange – You’re Not Good Enough

Apesar da capa horrorosa, “Cupid Deluxe” foi um dos melhores discos do ano passado. Construído pelo músico Dev Hynes, sob a alcunha Blood Orange, o álbum não apenas apresentou mais um bom capítulo da retomada da música soul, como reviveu a sensibilidade do pop oitentista com muita inteligência. No clipe filmado para “You’re Not Good Enough”, toda a atmosfera que permeia do trabalho do Blood Orange é apresentada com maestria – em um belo trabalho da cineasta Gia Coppola, que assina a direção do vídeo.

Cabana Café – Próxima Rodada

Sabe aquele meio termo entre o indie rock e a MPB? Não é nenhuma novidade desde o Los Hermanos, não é? Se bem que os paulistanos da Cabana Café estão caprichando bastante dentro deste pensamento tão corriqueiro na nova música brasileira. Com ótimos arranjos surge o novo single da banda, “Próxima Rodada”, mostrando a notória evolução do quinteto – e deixando claro que o citado meio termo ainda pode nos revelar algumas gratas surpresas.

Hundred Waters – Murmurs

Hundred Waters é uma viagem sonora. “The Moon Rang Like a Bell”, lançado no último mês de maio, é por enquanto um dos melhores discos de 2014 por unir o melhor do pop clássico com uma produção irrepreensivelmente moderna (e impecável). Um dos extraordinários capítulos deste ótimo trabalho está na segunda faixa, “Murmurs”, que insere os belíssimos vocais de Nicole Miglis em atmosféricos arranjos eletrônicos.

Nona – Give

O punk nunca esteve tão pop quanto nas mãos da banda Nona, liderada pela vocalista Mimi Gallagher. Faixa do disco “Through the Head”, lançado no ano passado, mas que só agora ganha notoriedade através de um trabalho de masterização, a canção “Give” exemplifica bem o conceito do conjunto: instrumental simples, com poucos acordes, confessamente punk, com versos cativantes e emotivos.

The Roots – Never

Para a felicidade de todos, o The Roots lançou, há pouco tempo, o exemplar de número onze de sua discografia, denominado “…And Then You Shoot Your Cousin”. Bom, como não poderia deixar de ser, o trabalho dá continuidade à inventiva carreira do grupo, sempre disposto a acrescentar ao hip-hop novos elementos de diferentes gêneros. No clipe de “Never”, pontos conceituais da banda do programa de Jimmy Fallon são explorados muito bem por caprichadas sequências de imagens.

Amplexos – Jerusalém

A música da banda fluminense Amplexos não parece ter limites. Em seu novo single, “Jerusalém”, o grupo se sente à vontade para uma exploração infinita de novas possibilidades através da amplificação de suas obsessões dentro da mistura de reggae, dub e jazz. Discursos críticos “doidões” ainda criam um tempero delicioso para a base sonora já saborosa apresentada pela faixa… Tomara que o novo disco dos caras não demore a sair.