Arquivo da tag: how to dress well

Lista: As 50 Melhores Músicas de 2014 [30-21]

30. Vince Staples – Blue Suede

Você pode até dizer que “Blue Suede” é apenas mais uma ótima produção, que suas batidas são incríveis e que a música se resume basicamente a isso… Tudo isso, é claro, se as rimas de Vince Staples não forem levadas em consideração. Se a produção é ótima (digna de Madlib), a performance do rapper é ainda melhor. Suas rimas são cruas, e verdadeiras: nelas, Staples trata da mortalidade da forma como ela é, sem grandes firulas. O ser humano é frágil, e nasce para um dia morrer: e, geralmente, nunca da forma desejada. É nada mais do que a realidade… “Jovens sepulturas obtém os buquês”, brada o rapper.

29. Nação Zumbi – Cicatriz

Uma filosofia relativamente barata diz que um grande guerreiro é reconhecido pela quantidade de cicatrizes que tem no corpo… E é exatamente essa mensagem que a Nação Zumbi quer passar em “Cicatriz”, canção que facilmente se insere entre as melhores do experiente grupo. Segundo Du Peixe e sua trupe, as marcas de guerra não precisam ser escondidas, e sim expostas: troféus de batalhas vencidas. A fraqueza humana se transformando em poder.

28. Ty Segall – The Singer

Para Ty Segall, 2014 será sempre considerado o ano de sua evolução definitiva. Íntimo das mais diversas nuances do rock, o músico, em “The Singer”, se vê à vontade para percorrer os dogmas do estilo em vias de reinvenção. Para isso, utiliza o psicodelismo para passear nos anos setenta, jogando um pouco de purpurina na guitarra através de uma breve brincadeira com o glam, e trazendo tudo para os tempos atuais – criando um número que, ao mesmo tempo, é clássico e atual. “The Singer”, assim como o rock clássico, é simples e direta, além de forte e arrebatadora. Uma canção com aquele espírito que muitos desinformados pensam que já morreu.

27. How to Dress Well – Words I Don’t Remember

Através de seu projeto How to Dress Well, Tom Krell reinventa a música pop com uma grande condensação de gêneros e referências. Provas? Apesar do disco “What Is this Heart?” ser imperdível, uma de suas faixas, “Words I Don’t Remember”, já é capaz de oferecer aos ouvintes uma ótima amostra dos poderes do músico. Sensível, atraente e naturalmente progressista, a canção se espalha em pouco mais de seis minutos de puro brilhantismo sonoro e lírico.

26. ruído/mm – Requiem for a Western Manga

A banda curitibana ruído/mm tem o dom de contas histórias mesmo sem utilizar nenhuma palavra… E isso acabou fazendo do fantástico “Rasura” um dos melhores discos de 2014. Terras distantes, heróis destemidos, discos voadores e grandes batalhas se espalham por números instrumentais primorosos, dos quais “Requiem for a Western Manga” é um destaque. Uma verdadeira epopeia, a canção faz com que o ouvinte experimente dez minutos de uma grande aventura, digna de uma superprodução de Hollywood, com Clint Eastwood no elenco e tudo mais.

25. Romulo Fróes e Juçara Marçal – Espera

A poesia de Romulo Fróes é reconhecidamente torta, “difícil” para os ouvidos acostumados com a música que se toca nas rádios… Mas em “Espera”, parceria do músico com Juçara Marçal, Fróes se abre para um novo público. Apesar de liricamente complexa, mantendo os tradicionais flertes do músico com versos curtos e de aparência desconexa, a canção se mostra extremamente fluida, deliciosa e descomplicada – mesmo fazendo parte do pesado “Barulho Feio”, o último e mais profundo lançamento do compositor. Na música, tudo se casa perfeitamente: as vozes de Romulo e Juçara se fundem em total harmonia com o ritmo acústico que, por sua vez, une-se com os ruídos da cidade de São Paulo de forma até mesmo natural. Um grande conjunto de nuances, alocadas em menos de dois minutos de impecável canção.

24. Ghostface Killah & BadBadNotGood ft. Danny Brown – Six Degrees

Além de reunir Ghostface Killah e Danny Brown, dois dos grandes rappers da atualidade, a canção “Six Degrees” traz na produção os canadenses do BadBadNotGood, verdadeiros monstros do hip-hop com suas passagens pelo jazz e pelo fusion. O resultado? Só poderia ser fantástico… Uma das melhores músicas do ano, uma mostra perfeita de que as mais diferentes vertentes nunca haviam se fundido em tamanha proporção quanto no ano que se finda. Ilimitada, cheirando a novidade, “Six Degrees” parece trazer consigo o conceito a ser seguido pelas grandes obras do hip-hop nos próximos anos.

23. Perfume Genius – Fool

Ah, as emoções… Volta e meia elas têm permeado essa lista, nos mostrando que, mesmo no mundo pós-moderno, a música continua a serviço dos mais puros e honestos anseios do ser humano. Em 2014, poucos artistas conseguiram escancarar sentimentos de forma tão certeira quanto Mike Hadreas em seu projeto autoral Perfume Genius. “Fool”, além de nos presentear com um conjunto harmônico complexo, nos surpreendendo com suas variações inesperadas, apresenta uma gigantesca amplitude de emoções, permeados pela performance vocal teatral de Hadreas.

22. Run the Jewels ft. Zack De La Rocha – Close Your Eyes (And Count to Fuck)

O novo dueto entre os rappers El-P e Killer Mike, apresentado no segundo disco do Run the Jewels mostra, nada mais nada menos, do que o colosso do hip-hop em 2014. Resultado obtido através de rimas incendiárias e uma produção arrebatadora, o registro marca uma das melhores colaborações da história do rap, que pode ser resumida através da intensidade de “Close Your Eyes (And Count to Fuck)”.

21. Juçara Marçal – Velho Amarelo

“Velho Amarelo”, a primeira faixa de “Encarnado”, trabalha para alocar Juçara Marçal em um palco do qual o espectador não desviará os olhos. A canção, composta por Rodrigo Campos, se comporta como uma apresentação perfeita do conceito da trabalho, delineando os rumos instrumentais e líricos que o embalarão em sua totalidade… Se é certo que vamos morrer, por que não podemos escolher onde e como?

Clipes & Singles: Semana 23/2014

Clipes & Singles

Freddie Gibbs & Madlib – Deeper

A união do veterano Freddie Gibbs, um dos ícones do gangsta rap, com Madlib, um dos maiores produtores da história do hip hop, acabou gerando um dos melhores trabalhos do ano, o disco “Piñata”. Uma das boas faixas do álbum, “Deeper” agora ganha um clipe, em que Freddie Gibbs interpreta um personagem que encara a vida depois de sair da prisão.

American Football – Never Meant

Esse vídeo tem tudo para ser o mais curioso da história da seção Clipes & Singles. Isso porque dá imagens a uma canção lançada há 15 anos. Isso mesmo! Se trata da música “Never Meant”, presente no último disco lançado pela banda American Football, lá no longínquo ano de 1999. O vídeo se passa na casa que está presente na capa do álbum, e acompanha as idas e vindas de um jovem casal.

Rodrigo Amarante – Hourglass

Pois é, o tempo passa… Muito mais recente que o último trabalho da American Football, o primeiro disco em carreira solo de Rodrigo Amarante, “Cavalo”, lançado no ano passado, agora tem mais uma de suas faixas transformada em vídeo. Se trata de “Hourglass”, cujo clipe, dirigido pelo próprio Amarante, estaciona nos conceitos de filmagem dos anos 50 para discutir a passagem do tempo. Mais um ótimo trabalho do ex-hermano.

Giorgio Moroder – Giorgio’s Theme

Grande lenda da disco music, o italiano Giorgio Moroder acaba de lançar uma nova canção para uma compilação: se trata da fantástica “Giorgio’s Theme”, que mostra que o veterano, após ser revivido pelo Daft Punk, continua produzindo com igual qualidade, e antenado com as novidades da música eletrônica. Sem dúvida, Moroder é um cara que deve ser reverenciado.

Jack White – Lazaretto

“Lazaretto”, o segundo álbum em carreira solo de Jack White já está dando as caras por aí, e a faixa que dá título ao trabalho ganha um clipe tão explosivo quanto os rumos sonoros da canção. No vídeo, Jack White e sua banda quebram tudo – literalmente.

Samira Winter – Eu e Eu

Um dos novíssimos nomes da música alternativa brasileira, a jovem Samira Winter se agarra com tudo nas letras simples, nas guitarras barulhentas e nas melodias convidativas do Lo-Fi dos anos 90. No clipe da simplória “Eu e Eu”, canção de “Todo Azul”, o primeiro EP da moça, imagens da turnê da banda de Winter são mostradas, representando toda a simplicidade que engloba o início de uma carreira.

How to Dress Well – Face Again

Tom Krell parece estar disposto a fazer de “What Is This Heart?” não apenas o melhor trabalho do projeto How to Dress Well, mas a aproximação definitiva do músico ao público de massa. Como é possível fazer essa afirmação? Acompanhando os singles que rechearão o registro, cujo lançamento está previsto para o dia 23 de junho. “Face Again”, que marca o segundo clipe de uma trilogia centrada no conceito “vida e morte”, representa a partida do ancião que estava doente no primeiro vídeo, o que acaba abalando profundamente o jovem casal.

Ella Eyre – If I Go

Uma das grandes revelações da música mundial quanto à voz, Ella Eyre agora resolveu vencer a gravidade em seu novo clipe, produzido para a canção “If I Go”. Preparando seu primeiro trabalho de longa duração, a jovem anda pelas paredes de um cômodo branco, na companhia de dois dançarinos, enquanto solta seu vozerão.

Washed Out – Weightless

Clipe bonito é com o Washed Out. Dando imagens a mais uma canção de “Paracosm”, último trabalho do projeto, lançado em agosto de 2013, Ernest Greene faz do clipe de “Weightless” um belíssimo tratado sobre a saudade. Sensibilidade é o que não falta à bela sequência de imagens que você pode apreciar logo abaixo no player.

Parquet Courts – Black and White

Energia ilimitada, acordes econômicos e um espírito anárquico… Seria o ano de 1977 e o movimento punk que estremeceu as estruturas da Inglaterra? Na verdade, se trata de mais uma canção de uma das melhores bandas norte-americanas da atualidade, chamada Parquet Courts – um nome já familiar para quem acompanha o blog. Acompanhando o lançamento do ótimo disco “Sunbathing Animal”, foi lançado o clipe de “Black and White”, que traz imagens com tratamento Lo-Fi em… preto e branco, oras!

Clipes & Singles: Semana 19/2014

Clipes & Singles

Lana del Rey – West Coast

Saiu o clipe oficial de “West Coast”, o primeiro single do próximo disco de Lana del Rey, “Ultraviolence”. Nele, as paisagens litorâneas que haviam permeado o vídeo anterior relativo à canção voltam a aparecer, mas dessa vez com um novo significado: abusando da atmosfera sedutora que envolve sua persona, Del Rey mostra novas facetas do seu universo particular – inclusive pegando fogo, literalmente.

Phillip Long – Noble Soul

Phillip Long sempre foi um cara que soube como transformar suas mais íntimas emoções em música para nossos ouvidos, mas agora, com seu novo trabalho, o artista parece disposto a nos surpreender ainda mais. Tendo o The Smiths como uma confessa fonte de inspiração, o ararense prepara o lançamento de seu oitavo disco para junho, agora liberando o último single antes do novo álbum ver a luz do dia: “Noble Soul” é uma canção arrebatadora, um número que só poderia ter sido composto por Long.

Savages – Fuckers

A energia e o clima intenso que envolvem as garotas do coletivo Savages só se amplificam quando elas estão no palco… Por que não, então, caprichar na filmagem de um vídeo ao-vivo da banda? Pois foi isso que o diretor Giorgio Testi fez: em uma performance visceral é apresentada a canção “Fuckers”. Veja o vídeo abaixo e simplesmente sinta-se hipnotizado durante mais de dez minutos.

China – Arquitetura de Vertigem

A verticalização das cidades é algo que ocorre em um ritmo cada vez mais veloz nas cidades brasileiras… Em Recife, terra do músico China, não seria diferente. “Arquitetura de Vertigem”, novo single do artista, e um aperitivo para seu novo disco, com previsão para lançamento em agosto, e traz na crítica à frenética construção de arranhas-céus a grande força de seus versos.

How to Dress Well – Repeat Pleasure

Tom Krell: anote esse nome. Afinal, no fim do ano, é muito provável que várias publicações do mundo da música estarão louvando o novo disco do músico sob a alcunha de How to Dress Well. “What Is This Heart?” tem lançamento previsto para junho, e deverá revelar ao mundo toda a sensibilidade presente no pop moderno e super-produzido do projeto. No primeiro clipe relativo a uma canção do disco, referente à ótima “Repeat Pleasure”, a primeira parte de uma trilogia de vídeos é apresentada, com a história se concentrando no cotidiano de um jovem casal e de um idoso moribundo.

Pearls Negras – Guerreira

O rap no Rio de Janeiro nunca havia ganhado tons tão orgânicos quanto com o trio Pearls Negras, que já começa a ser sucesso, inclusive, fora do Brasil. Com uma sonoridade envolvente e moderna, que mistura funk, hip hop e trap, é que as garotas apresentam o seu novo clipe, relativo à canção “Guerreira”. Ainda que os versos se apeguem às tradições do rap nacional, a produção se destaca pelo tratamento primoroso de sintetizadores.

Flying Lotus – Phantasm

De tão tosco, o novo clipe de Flying Lotus chega a ser interessante. Mostrando a interação de um holograma de um humano envolto em faixas e um ser peludo não-identificado, o vídeo acompanha, de forma curiosa, os rumos etéreos propostos pela canção. A música, aliás, faz parte do último trabalho lançado pelo músico, ainda em 2012.

Boogarins – Benzin

A ótima e emergente banda goiana Boogarins apresentou, através do canal “Is Your Claim in a Jam?”, uma nova canção, feita em parceria com seus conterrâneos da Carne Doce. “Benzin” se agarra aos flertes psicodélicos tradicionais da banda, porém com uma aproximação maior à música pop.

Sia – Chandelier

O que falar do novo clipe da cantora Sia? Simplesmente magistral! No vídeo, a dançarina Maddie Ziegler, de apenas 12 anos, torna-se a estrela-mor através de uma interpretação incrível, forte e emotiva, em que a atuação encontra, com primor, a dança moderna. Temos que, realmente, tirar o chapéu para a produção.

Ludov – Copo de Mar

O novo disco do Ludov, denominado “Miragem”, deve ser lançado no dia 22 desse mês. Para atiçar a curiosidade de seu público, a banda divulgou não apenas o primeiro single relativo ao novo trabalho, como também o primeiro clipe. Trazendo a canção “Copo de Mar” como trilha-sonora, o vídeo brinca com impressões geradas a partir de copos de vidro ora cheios, ora vazios de água. Simples, mas bem intrigante.

Clipes & Singles: Semana 14/2014

Clipes & Singles

Parquet Courts – Sunbathing Animal

O Parquet Courts é uma banda visivelmente emergente, que daqui algum tempo terá tudo para ser um dos novos nomes mais aclamados do cenário alternativo. Autores de “Light Up Gold”, o disco mais insano de 2012, os nova-iorquinos do Brooklin voltam com uma canção ainda mais anárquica: “Sunbathing Animal” é uma demonstração colossal de energia, uma exímia representante das surpresas que o punk rock ainda pode pregar nos ouvintes mais atentos.

Katy B – Still

Da urgência frenética do Parquet Courts para o recolhimento e a amargura de Katy B. Atualmente a artista mais aplaudida do pop eletrônico, a britânica de cabelos ruivos se entregou às suas tristes confissões no seu segundo trabalho, o elogiado “Little Red” – um disco que fez até roqueiros barbudos elogiarem um trabalho confessamente pop, eletrônico e de audição facilitada até mesmo para os seguidores de modismos. No clipe de “Still”, todo o teor intimista de “Little Red” é trazido à tona com assertividade, mostrando que os sentimentos mais íntimos podem, certamente, se agarrar a uma proposta musical mais comercial.

Sharon Van Etten – Taking Chances

Sharon Van Etten é uma artista que deve ser elogiada… Afinal, se a música folk se renovou e voltou a ser relevante, pulsante e nova, é devido a um time de novos artistas do qual a nova-iorquina faz parte. “Taking Chances” é um ótimo aperitivo do novo álbum que está por vir, já foi elogiada até nessa mesma seção do blog, mas por que um clipe tão ruim para uma canção tão certeira? Talvez a maior culpa nem caiba ao diretor do vídeo, Michael Palmieri, mas sim à própria Van Etten, que mesmo tendo dificuldade para atuar, exagera no “carão”.

Karine Carvalho e Bárbara Eugênia – Pessoa Loka

O que vocês andaram fumando, meninas? Algo lícito é que não deve ser, levando em consideração o vídeo lançado para “Pessoa Loka”. Mostrando uma faceta mais pop de Bárbara Eugênia – uma cantora que até agora estava mais ligada ao blasé (com “Journal de Bad”), ao brega (com “É o que Temos”) e ao folk (com o projeto Aurora) – a canção viaja no psicodelismo com um vídeo colorido e pra lá de doidão, do qual ainda participam Xico Sá, Tatá Aeroplano e Tulipa Ruiz. Se você lembrar do pop oitentista de Rita Lee, não estará pensando errado.

Lana Del Rey – Meet Me in the Pale Moonlight

Quando estreou pra valer com o disco “Born to Die”, Lana Del Rey não era nada além de um grande ponto de interrogação: quem ela era, para onde ela iria? Aos poucos, as dúvidas começaram a ser respondidas, e agora, em 2014, a moça prepara o que parece ser seu primeiro grande trabalho: o disco “Ultraviolence”. Produzido por Dan Auerbach, do duo The Black Keys, o registro já vem apresentando bons aperitivos – caso de “Meet Me in the Pale Moonlight” e seu bom passeio pelos anos setenta, que acaba lincando-a ao álbum “Random Access Memories”. Uma canção vintage e atual ao mesmo tempo.

Phillip Long – Tidal Wave

Se nos sete discos que já havia lançado o paulista Phillip Long já conseguia atingir com tudo a nossa alma, imagina agora, quando ele resolveu escrever inspirado pela banda The Smiths, e contando com uma produção mais crua? De fato, o músico parece rumar para seu trabalho mais intenso até aqui. Intitulado “A Blue Waltz”, e com lançamento previsto para o dia 7 de junho, o novo álbum acaba de ganhar mais um belo e convincente aperitivo com a bela canção “Tidal Wave”.

How to Dress Well – Repeat Pleasure

Outro grande trabalho esperado para o mês de junho é o novo álbum de Tom Krell no projeto How to Dress Well. “What Is the Heart?” deve apresentar uma nova faceta da música do produtor, e inseri-lo em uma posição de destaque dentro da cena pop atual. Com uma produção límpida, e uma grande condensação de gêneros e referências, o músico vem apresentando formidáveis facetas de seu novo trabalho… Enfim, é só clicar no play abaixo para perceber porque a crítica tem elogiado tanto os novos rumos artísticos do How to Dress Well.

Cloud Nothings – I’m Not A Part of Me

A música jovial (e noventista) de Dylan Baldi e da sua aclamada banda Cloud Nothings nunca foi tão bem representada: seja com o disco “Here and Nowhere Else” ou com o clipe do poderoso single “I’m Not a Part of Me”, as obsessões do músico encontraram uma morada perfeita, deixando bem claros quais são os conceitos do conjunto. No vídeo abaixo, uma festa íntima de garotas adolescentes acompanha com acerto os rumos energéticos da canção.

Jack White – High Ball Stepper

Quer ouvir guitarras? Mr. Jack White resolve a sua situação com um instrumental excepcional: “High Ball Stepper” é a primeira música a ser revelada do próximo disco do músico, “Lazaretto”, que terá a incumbência de suceder o clássico moderno “Blunderbuss”, de 2012. Pelo jeito, para sorrisos eternos da crítica e do público, esse novo trabalho será igualmente ótimo. Mais um para o mês de junho.

Leo Cavalcanti – Get a Heart

Ao se entregar à música pop, Leo Cavalcanti parece ter encontrado seu caminho, sua identidade sonora. Única faixa em inglês do competente disco “Despertador”, “Get a Heart” acaba de ganhar um icônico registro audiovisual, em que o músico interpreta a canção (da sua própria maneira) pelas paisagens de Berlim.