Clipes & Singles: Semana 43/2014

Clipes & Singles

Ariel Pink – Black Ballerina

Ariel Pink, uma das figuras mais imprevisíveis da música atual, está prestes a lançar seu novo álbum, intitulado “pom pom”. Se você ainda não conhece do que o cara é capaz, ouça sua nova canção, “Black Ballerina”, e perceba como ele consegue manipular diversas heranças da música pop a fim de obter um resultado inédito – e insano.

Interpol – My Desire

“El Pintor”, disco lançado esse ano pelo Interpol, dividiu opiniões: houve quem aprovou a retomada da velha base sonora da banda (que, na realidade, nunca havia sido abandonada completamente), assim como teve quem criticou a incapacidade do grupo em renovar o seu som. O fato é que o disco está aí, e o Interpol segue em sua promoção: “My Desire”, faixa presente no último álbum, recebeu um clipe sugestivo, sombrio, em que a banda performa a canção em um daqueles típicos bares norte-americanos.

The Smashing Pumpkins – Being Beige

Outra banda que vem recebendo muitas críticas nos últimos tempos é o The Smashing Pumpkins, do careca Billy Corgan. Talvez até mesmo para comprovar o fundo do poço em que o grupo se encontra na atualidade, liberou-se para audição o single “Being Beige”, que deverá estar presente em “Monuments to an Elegy”, o próximo e temido lançamento da banda. Banal, a canção poderia ter feito parte do catálogo de qualquer uma daquelas medíocres bandas de pop-rock dos anos noventa.

E a Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante – Luz Acesa

Uma das grandes novas bandas do cenário nacional, a EATNMPTD lançará, muito brevemente, o seu segundo EP, intitulado “Vazio”. Uma das canções desse novo repertório, “Luz Acesa” acerta em cheio ao amplificar o conceito sonoro que havia sido apresentado no primeiro EP do conjunto – uma ótima mistura de emo e post-rock.

CHVRCHES – Under the Tide

O hypado trio escocês de música eletrônica CHVRCHES continua a colher os louros da sua ótima estreia, o disco “The Bones of What You Believe”, considerado por este blog (bem como por inúmeros setores da crítica) como um dos melhores do ano passado. Provas de que as pretensões comerciais do disco continuam em alta podem ser encontradas no recém lançado clipe de “Under the Tide”, canção em que Lauren Mayberry descansa a sua sensível voz em favor da performance vocal (não muito inspirada, é verdade) de Martin Doherty. Porém, o clipe, bem como a canção, representa um formidável resultado final.

Lupe de Lupe – Fogo Fátuo

O quarteto mineiro Lupe de Lupe resolveu trabalhar em diversas texturas para construir seu mais novo disco, “Quarup”. Às vezes totalmente entregue ao ruído, agora o grupo apresenta um lado mais sensível de seu catálogo de canções através de “Fogo Fátuo”, um número repleto de melodia, contendo um doce instrumental que inegavelmente se destaca – um pouco devido ao vocal deficiente, é verdade.

Foo Fighters – The Fast and the Famine

A tarefa de Dave Grohl não é fácil: fazer de “Sonic Highways” um sucessor a altura de “Wasting Light”, o melhor disco já lançado pelo Foo Fighters. Ao analisar “The Fast and the Famine”, percebemos que, embora o conceito energético esteja intocado, a inspiração parece não ter atingido novamente o grupo norte-americano. Com um instrumental econômico e uma letra pouco convincente, a canção se destaca apenas por se assemelhar aos números mais banais que o Foo Fighters já apresentou ao longo de sua carreira.

Thiago Pethit – Quero Ser Seu Cão

Os rumos da carreira de Thiago Pethit são estranhos… Ele iniciou com “Berlim, Texas”, um disco cuja personalidade conseguia até encobrir a falta de conhecimento técnico do artista. Já, em “Estrela Decadente”, a “personalidade nova” da música brasileira acabou sendo enterrada por um conceito estranho, artificialmente ligado à música glam. Mas é agora, com “Rock n’ Roll Sugar Darling”, que o músico abandona qualquer momento de genuinidade para embarcar em vias copiosas, que chegam, como em “Quero Ser Seu Cão”, a aterrissar no punk setentista de Iggy Pop e sua banda The Stooges. Em suma, Pethit nasceu Pethit, tentou se tornar David Bowie e agora quer ser um atemporal Iggy Pop tupiniquim.

The Pains of Being Pure at Heart – Kelly

Mais uma faixa do bom disco “Days of Abandon” acaba de ganhar um registro em vídeo: trata-se de “Kelly”, canção entoada pela voz de Jen Goma (A Sunny Day in Glasgow). No clipe, temos aquela concepção econômica, mas aceitável: a banda tocando a canção em um lugar qualquer.

Mary J. Blige – Right Now

Depois do U2, agora é a vez do Disclosure tentar ressuscitar Mary J. Blige, uma das grandes vozes da música nos anos noventa. Em “Right Now”, faixa produzida pelo hypado duo inglês, a cantora, ao mesmo tempo em que pisa em um terreno conhecido, sem se distanciar de seu R&B de sempre, encara novos elementos, característicos da indieletrônica atual. O novo disco da artista, “The London Sessions”, deve ser lançado no início de dezembro.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s