Clipes & Singles: Semana 51/2013

Clipes & Singles

Enquanto nossos ouvidos são inundados pelos sinos de natal, pela tradicional risada do Papai Noel e pela versão da brasileira Simone para “Happy Xmas (War Is Over)”, um pequeno grupo de artistas se aventura pela nebulosa atmosfera da música natalina para apresentar novos aspectos sonoros e visuais de sua obra. Portanto, a seção Clipes & Singles surge mais uma vez, e acredite, sem nenhuma daquelas clássicas músicas de natal. Sem sino pequenino, sem sapatinho na janela do quintal.

Beyoncé feat. Jay-Z – Drunk in Love

Beyoncé chocou o mundo da música pop ao lançar, de surpresa, o quinto exemplar de sua discografia. Auto-intitulado, o disco mostra a evolução definitiva da cantora, que encara (apesar dela não ter avisado para ninguém) um projeto pra lá de audacioso. Quatorze canções e dezessete vídeos constroem o conceito de um “álbum visual”, amarrando com primor a excelência musical da diva com intenções pretensiosas, que já se mostravam, diga-se de passagem, necessárias para uma artista extremamente visada como ela. Em um dos vídeos referentes ao trabalho, a artista volta a contar com a ajuda do maridão Jay-Z, recriando a atmosfera que havia sido apresentada, anos atrás, no bem recebido single “Crazy in Love”. Se trata de “Drunk in Love”, em que o R&B e o rap se unem em uma base que só atesta a grandiosidade que entorna a família Carter.

Leo Fressato – Veranizar

Mais uma faixa sensível do bonito “Canções para o Inverno Passar Depressa”, primeiro álbum do curitibano Leo Fressato, “Veranizar” ganha um vídeo em que as imagens urbanas, carregadas de melancolia, ganham um novo significado enquanto iteram-se com os sutis rumos líricos da canção. A separação em confronto com a união, o misto de beleza e tristeza, e o aspecto tocante intocável do conjunto arquitetam, no fim, mais um certeiro registro audiovisual relativo ao primeiro álbum do compositor – que já havia apresentado, há pouco tempo, o belíssimo clipe para a canção “Enquanto Eu Não”.

Chlöe Howl – Rumour

Uma das grandes revelações do ano, a britânica Chlöe Howl apresenta agora, no finzinho do ano, o clipe para a música de maior destaque do seu primeiro EP, lançado em março. “Rumour”, agora transfigurada em single, tem tudo para ser um sucesso, preparando um terreno sólido para o futuro primeiro disco da ruivinha. Batidas magnificamente programadas, uma extensão épica de sintetizadores, um refrão poderoso e um clima enevoado ganham uma assertiva sequência de imagens, que alocam Howl em um tenso torneio de xadrez, em que a cantora, no fim, é quem se torna a grande vencedora.

The Vaccines – I Wish I Was a Girl

Quando se fala em povo árabe, lá vem aquele senso comum: pessoas em largas vestes, orando em cima do tapete, encantando cobras com uma flauta e mulheres dançando com o ventre. Mas nem tudo é assim, ou melhor: o que fica para nós, geralmente, é uma imagem distorcida, muito mais caricata do que real. É a mesma situação em que vemos o Brasil, no olhar dos estrangeiros, como a terra das bananas e dos macacos. No novo clipe do The Vaccines, que explora os sons de “I Wish I Was a Girl”, faixa do último disco da banda, “Come of Age”, impressões prontas são quebradas enquanto o cotidiano de três jovens árabes é revelado. Às vezes, nem tudo é como a gente pensa, não é verdade?

James Vincent McMorrow – Red Dust

A cada dia que passa, 2014 se mostra um ano cada vez mais interessante para a música – e olha que o ano ainda nem começou. Previsto para janeiro, e já apontado como um dos possíveis melhores discos dos próximos doze meses, “Post Tropical” tem uma de suas faixas, “Red Dust”, revelada em vídeo. Impregnada no mesmo conceito pregado por projetos como Bon Iver e Phosphorescent, a canção não deixa de apresentar, porém, uma intensa novidade, em que McMorrow funde, com primor, as bases tradicionais da música country com novos elementos da música, em proximidade com arranjos eletrônicos. Transformada em imagens através de um clipe formidável, a canção encontra nas amarguras do vídeo uma contemplação natural dos rumos soturnos de suas bases lírica e sonora.

Tears For Fears – My Girls

Os veteranos Roland Orzabal e Curt Smith, integrantes do duo Tears for Fears, parecem cada vez mais interessados nos rumos atuais da música. Depois de terem remixado “Ready to Start”, do Arcade Fire, chegou a vez do Animal Collective, outra banda de destaque da atualidade, ser visitada pela eletrônica oitentista do dueto. Em “My Girls”, a personalidade dos ingleses é imprimida mesmo que os sentimentos da gravação original da canção não sejam perdidos, encontrando em um vídeo com imagens em 3D o delineamento mais assertivo para o acompanhamento dos sons sintetizados. O próximo álbum do Tears For Fears sai em 2014, e os remixes citados devem fazer parte do futuro registro.

Phantogram – Black Out Days

Demorou, mas o segundo álbum do Phantogram finalmente está para ser lançado. Sucessor do aclamado “Eyelid Movies”, de 2009, “Voices” deve encarar, de uma forma ainda mais intensa, o universo musical proposto pelo casal Sarah Barthel e Josh Carter anos atrás. Repleta de aventuras sonoras, diluindo em menos de quatro minutos diversas vertentes e diferentes épocas, “Black Out Days” ganha um clipe em que a voz de Barthel é acompanhada por uma colagem intrigante de imagens, que acaba criando um turbilhão de sentimentos, que vaga entre diferentes direções, brincando com a nossa percepção de oposição.

Metronomy – I’m Aquarius

Se com “Love Letters”, seu novo álbum a ser lançado no mês de março, o Motronomy deseja voar alto, a banda não poupa distâncias ao alocar o vocalista Joseph Mount em uma viagem pelo espaço. No clipe de “I’m Aquarius”, o tom vermelho se amarra à letra da canção enquanto Mount primeiramente experimenta a solidão de sua espaçonave, para depois aterrissar em um planeta habitado por alienígenas. Revisitando clássicos do cinema de ficção-científica, o clipe parece se relacionar de forma perfeita à estética futurista proposta pelos rumos sonoros do grupo.

Moby – Almost Home

A música eletrônica sempre pede clipes super-produzidos, não é verdade? Efeitos energéticos, luzes hipnotizantes, cenários fantásticos… Mas Moby, logo ele, um dos verdadeiros cardeais do gênero, demonstra pensar diferente. Nenhum dos elementos que comumente dão imagens às música eletrônicas aparecem no novo clipe do músico. Na realidade, o renomado produtor quis, dessa vez, atingir o sentimento das pessoas. No vídeo de “Almost Home”, Moby mostra os versos da canção na companhia de animais para adoção do instituto Best Frinds Animal Society.

Jose Gonzalez – Stay Alive

Melancolia e beleza preenchem tanto os rumos sonoros quanto o clip de “Stay Alive”, canção de Jose Gonzales e parte integrante da trilha sonora do filme “A Vida Secreta de Walter Mitty”, película que insere Ben Stiller em uma inédita concepção dramática. Bucólica e altamente sentimental, a canção passeia por belíssimos arranjos instrumentais que são acariciados pelo sereno vocal de Gonzales, enquanto o clip é recheado por diversas referências à produção cinematográfica de Stiller.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s