2011: Floreat – Mara Carlyle

É provável que o leitor não tenha um grande conhecimento sobre esta artista. Competente compositora, arranjadora e cantora, Mara Carlyle é um daqueles nomes que passam desapercebidos (principalmente fora dos domínios da rainha Elizabeth) por pura falta de mídia. Talento ela tem de sobra, e isso se percebe facilmente ao conferir seus dois álbuns: “The Lovely”, de 2004, e “Floreat”, de 2011. Esta grande lacuna de sete anos pode ser explicada; infelizmente, o projeito de “Floreat”, antes chamado de “Nuzzle”, foi engavetado pela EMI, sua antiga gravadora, em 2008. Segundo a própria Carlyle, ela se encontrava, naquele momento, “no fundo de uma pilha em que Lily Allen e Coldplay estavam no topo”. Sabe-se que, na maioria das vezes, os caminhos no mundo da música se mostram tortuosos, e ultimamente mais cruéis para artistas talentosos do que para artistas que atraiam mídia. Mas, para o bem de nossos ouvidos, Mara Carlyle conseguiu lançar seu projeto engavetado em agosto de 2011, chamando-o de “Floreat”, expressão em latim que significa “deixar florescer”; nada mais apropriado.

Apesar de ter surgido como uma artista folk, Carlyle vai agregando elementos na sua música, tornando-a uma boa mistura de novas e antigas ideias. “Floreat” se mostra muito mais pop do que a artista um dia demonstrava ser, com letras bem humoradas, que variam do inocente ao sarcástico, utilizando um vocabulário simples cuja intenção é tornar seu som mais acessível. Os competentes versos são alocados em boas melodias, com instrumentais conscientes, flertando ora com rock, ora com pop, ora com jazz, ora com música erudita, em canções muito bem produzidas, que não deixam dúvidas quanto à qualidade da cantora. Se não há um rótulo muito certo para o álbum, poderia ser chamado de um “indie-pop-folk-rock”, sem medo de se deitar em influências antigas, mas cobertas pelo que há de novo.

“But Now I Do…” já dá provas da grande qualidade do álbum, iniciando-se misteriosa, progressiva, e logo após se transformando em soar de belas vocalizações, ambientadas em uma agradável e bem produzida balada pop. “Weird Girl” é, indubitavelmente, um dos grandes destaques de “Floreat”, uma animada canção em que elementos folk e pop convivem perfeitamente, com uma interessante e inteligente letra. “Bowlface En Provence” é outra coisa linda deste álbum, cuja estrutura tem alguma influência de música litúrgica; a voz de Carlyle se mostra aconchegante como nunca, tornando esta calma canção uma elegante faixa do “Floreat”. A elegância, aliás, é um dos adjetivos mais contundentes deste álbum, onde a bela voz de Carlyle e os competentes arranjos se mostram preparados para a admiração alheia.

“Pearl” é pop, um R&B moderno, onde mais uma vez Carlyle se mostra competente, com belos vocais, boa letra e um ritmo dançante. A quinta faixa, “Nuzzle”, seria a canção-título do projeto que fora engavetado; é uma música muito bonita, calma, muito romântica, onde os arranjos, apesar de contarem com uma linha de bateria simples até demais, soam novamente muito conscientes; a performance vocal de Carlyle é novamente um espetáculo. “King”, com seu coral exótico e suas orquestrações, parece aterrissar, realmente, na Idade Média britânica, levando consigo uma cantora de voz extravagante e sedutora, para a felicidade e o bem geral da côrte.

A instrumental “How It Felt (To Kiss You)” mostra a incrível qualidade de Carlyle como arranjadora, viajando direto da antiga e religiosa Idade Média para o freudiano mundo dos sonhos. “All Will Be Well” traz novamente elementos de igreja, onde um belíssimo e litúrgico coral faz a base para a doce voz de Carlyle dar novamente o ar de sua graça. A alternância de influências pode até estranhar em um primeiro momento, mas o charme de “Floreat” está justamente nessa leitura, bastante sensível, da interação entre elementos tradicionais, do passado, com coisas da música pop; mais uma prova disso é “Away With These Self-Loving Lads”, onde a cantora se sente à vontade para abusar de elementos pop, sem se esquecer, porém, de seu rótulo folk.

Mais uma agradável canção, “The Devil And Me”, com sua aconchegante melodia e seus arranjos incomuns, é que dá um rumo final ao dinâmico “Floreat”. É interessante ouvir como Mara Carlyle procurou, utilizando de sua elegância e sensibilidade musical, viajar por novos mares, procurando sempre fugir do óbvio. Quando você pensa que o álbum se tornou erudito, ele se mostra pop como nunca, e vice-versa, Já, quando você pensa que Carlyle atingiu seu máximo em uma canção lindamente interpretada, a próxima faixa vem para te desmentir. O álbum é ótimo, extremamente lúcido, cuja consistência pode ser comprovada pela competente alternância de ritmos e influências.

Mara Carlyle tem muitas qualidades, sendo competente como poucas. Se espera que agora sua carreira tome um rumo certo, e que as gavetas sirvam apenas para guardar os textos que elogiam o seu trabalho; afinal, o que estava incerto desabrochou e encheu tudo de cor, ou seja, floresceu. E, para dar um colorido a mais, para download você encontra uma versão estendida do álbum, com algumas faixas-bônus interessantes.

Utilizando uma mescla do novo e do velho, pode-se dizer que Carlyle é um nome “de garbo e elegância” para os próximos anos da música pop.

NOTA: 8,1

Track List: (todas as faixas compostas por Mara Carlyle, exceto a 1)

01. But Now I Do… (Plaid) [04:49]

02. Weird Girl [03:17]

03. Bowlface En Provence [04:10]

04. Pearl [03:21]

05. Nuzzle [04:29]

06. King [03:49]

07. How It Felt (To Kiss You) [04:31]

08. All Will Be Well [01:21]

09. Away With These Self-Loving Lads [04:35]

10. The Devil And Me [04:42]

Download

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s