1981: Never Too Much – Luther Vandross

Luther Vandross (1951-2005) foi um dos grandes expoentes do R&B, tendo conseguido aliar o sucesso comercial (vendendo aproximadamente 25 milhões de álbuns) e a qualidade musical em toda sua carreira. Sua música, constituida do mais clássico R&B americano, com pitadas de soul, sempre foi considerada de muito bom gosto, sempre trazendo uma elegante interpretação vocal e arranjos instrumentais bem elaborados.

Antes de se aventurar em carreira solo, Vandross já era um músico experiente, tendo trabalhado como backing vocal de nomes como Diana Ross, Donna Summer, Barbra Streisand e David Bowie. Já é de se esperar, portanto, que seu álbum de estreia já traga a segurança e o conceito de um músico já calejado, grande conhecedor de seu estilo. Assim, “Never Too Much” acabou se consolidando, e até hoje é considerado uma das obras definitivas do R&B.

Das sete músicas do álbum, seis são composições exclusivamente de Luther. Um músico completo, sem dúvida, e logo em seu álbum debut. A primeira faixa, e faixa-título, já traz a consistência presente no restante do álbum, com um instrumental muito bem feito, cheio de grooves interessantes, e a interpretação segura e talentosa da ótima voz de Vandross. Segue “Sugar and Spice (I Found Me a Girl)”, que apesar da força de sua faixa antecessora, consegue surpreender positivamente o ouvinte, com várias variações (porém sem deixar de ser dançante em nenhum momento) e com uma performance vocal ainda mais poderosa de Vandross.

“Don’t You Know That?” é a terceira, um pouco mais lenta, mas muito bem constituida, trazendo o bom gosto e a elegância presentes em todo o álbum. “I’ve Been Working” traz alguns elementos progressivos, sendo caracterizada pela linha vocal extremamente técnica, executada com perfeição por Vandross, e pelo ótimo ritmo, perfazendo uma das canções mais melódicas da carreira de Luther. A quinta, “She’s a Super Lady”, é de ritmo contagiante, extremamente dançante, e especialmente bem produzida.

A sexta é “You Stopped Loving Me”, bastante romântica, e também muito bem feita, com uma poderosa performance de Vandross; mas, infelizmente, fica devendo um pouco às demais faixas do álbum. A sétima e última faixa do álbum, “A House Is Not a Home” é também a única não composta por Vandross, sendo uma versão para uma canção soul feita por Burt Bacharach e Hal David que fizera razoável sucesso na voz de Dionne Warwick em 1964; se trata de uma canção muito tocante, com uma mágica e emocionante performance de Vandross, arrebatadora o suficiente para encerrar o álbum com tudo.

“Never Too Much” é um álbum de apenas sete faixas, mas muito mais aclamável que muitos álbuns triplos já lançados por aí. Por quê? De uma consistência absurda, aliando um muito bom gosto musical com uma ótima capacidade comercial, o álbum de estréia da carreira solo de Luther Vandross já mostra toda a incrível capacidade de um dos papas da música pop americana.

NOTA: 8,9

Track List: (Todas as faixas compostas por Luther Vandross, exceto a 7)

01. Never Too Much [03:50]

02. Sugar and Spice (I Found Me a Girl) [04:57]

03. Don’t You Know That? [04:01]

04. I’ve Been Working [06:35]

05. She’s a Super Lady [05:04]

06. You Stopped Loving Me [05:16]

07. A House Is Not a Home (Burt Bacharach/Hal David) [07:07]

Download

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s